Conheça alguns dos Tipos de Tranças Afros

As tranças afros representam força, resistência, beleza e, acima de tudo, muita cultura. Elas trazem, em seus entrelaçamentos, muita história sobre a resistência negra diante de uma sociedade racista. 

Por isso, conhecer um pouco mais sobre os tipos de tranças afros é abrir caminho para a desmistificação de alguns paradigmas, e a abertura para novas ideias e pautas sociais importantes.

Veja, a seguir, as principais características de alguns tipos de tranças negras:

1. Tranças crochet braids

Neste caso, são feitas tranças embutidas, rente ao couro cabeludo da mulher, visando criar uma base para as tranças em forma de “crochê”.

Nesses gominhos formados na trança embutida, são “costuradas” as extensões, que podem ser sintéticas, aumentando o comprimento do cabelo e criando composições lindas.

2. Tranças box braids

As tranças box braids possuem a característica de serem feitas individualmente, ao mesmo tempo em que é feita a união entre o cabelo e o material sintético. Assim, é possível aumentar a extensão do cabelo, ao mesmo tempo em que se cria um aspecto lindo.

Esse tipo de trança também permite que os cabelos cresçam mais fortes e saudáveis, pois o método tende a proteger os fios.

Nessa técnica, a mulher pode escolher a espessura, o comprimento e o acabamento da trança. No caso do acabamento, ela pode escolher se ficará com as tranças soltas ou se fará um “rabo de cavalo”.

3. Tranças nagô

É a trança que inicia na raiz do cabelo, formando uma trança embutida, seguindo toda a extensão dos fios. Assim, é possível trançar todo o cabelo natural da mulher, sem a necessidade de fazer algum aplique nos fios.

4. Tranças twist

Neste tipo de trança é feito o entrelaçamento de duas mechas de cabelo por vez, diferente das outras tranças nas quais o entrelaçamento acontece com três mechas.

É possível aplicar linhas de lã ou usar fio sintético para deixar a trança ainda mais bonita e cheia de personalidade.

 

Viu só como existem muitos tipos de tranças afros? Esperamos que você tenha gostado de saber mais sobre esse tema!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *