Uso de enzimas na avicultura- uma realidade consolidada na produção brasileira.

Ração 1

A avicultura brasileira e destaque ano após ano devido avanços nas áreas do melhoramento genético, sanidade, nutrição. É um setor do agronegócio de referência mundial que consolidou a abertura de novos mercados internacionais.

Na nutrição das aves, frangos de corte e poedeiras temos o uso amplo e consolidado das enzimas cientificamente comprovadas e aplicadas. São usadas conforme o tipo, ingrediente que compõe a ração. seu uso objetiva melhorias no desempenho, digestibilidade dos nutrientes e maior eficiência de produção.

Essa aplicação tecnológica, as enzimas no setor avícola, aliada ao clima, a produção de grãos, tornou o Brasil um grande produtor de carne de frango. Aavicultura brasileira  oferta uma proteína animal de qualidade e acessível a maioria dos consumidores a escala mundial. Atendendo a exigência de cada comprador.  Para os produtores as enzimas trazem vantagens como menor custo de produção, rápido acabamento do animal. E auxilia na entrega precoce, por causa da melhoria dos índices zootécnicos dos lotes.

Enzimas e seu efeito sobre os polissacarídeos não amiláceos

Milho As rações utilizadas na avicultura brasileira são constituídas principalmente por milho e farelo de soja. Estes alimentos possuem polissacarídeos não amiláceos (PNA´s). PNA’s são constituintes estruturais da parede celular desses grão. Os PNA’s são indigestíveis pelas aves e assim limitam o aproveitamento dos nutrientes. Sendo assim, foram desenvolvidos enzimas específicas para PNA´s. Outras características da rações que impactam a nutrição eficiente são: forma de processamento da ração, presença de ácidos orgânicos e acidificantes , quantidade de energia disponibilizada pelo alimento, idade das aves, dosagem adequada das enzimas e a presença da  enzima fitase.

A ação enzimática sobre os PNA’s visa a quebra deste componente no grão. Assim disponibiliza mais nutrientes no intestino para que a ave absorva de forma eficiente e utilize para seu crescimento e ganho de peso. Além de maior concentração de nutrientes. A enzima presente na ração também melhora a viscosidade da digesta. A ação das enzimas endógenas e diminui o custo com a compra de mais alimento.

A presença das enzimas na alimentação de aves transforma alimentos de baixo valor nutricional e menos palatáveis em alimentos altamente nutritivos. Assim a indústria avícola oferece aos seus consumidores proteína de qualidade a preço acessível. Outra importante contribuição é que as enzimas na ração propicia  um ambiente protegido do acúmulo de resíduos e induz uma produção ecologicamente sustentável.

Uso das enzimas nas rações

A utilização de enzimas em rações à base de milho e farelo de soja para aves é comum. Auxilia a complementar as enzimas endógenas, aumenta a digestibilidade dos nutrientes e melhora o desempenho. As mais utilizadas são carboidrases, proteases e a fitase. As enzimas carboidrases são compostos a base de amilases, pectinases, β-glucanases, arabinoxilanases, celulases e hemicelulases, pois atuam sobre os alimentos a base de amido, como é o caso do milho. As enzimas proteases, tanto ácidas quanto alcalinas atuam especificamente sobre a melhoria da disponibilidade de proteínas. De forma geral as enzimas podem hidrolisar fatores antinutricionais como os PNA’s.

A celulose, arabinoxilano, beta-glucanos, pectinas, representantes principais dos PNA’s são de baixa digestibilidade sendo problemáticos no desempenho das aves. os PNA’s psão de difícil digestão e impacta o funcionamento adequado do intestino das aves. Sua presença aumenta a viscosidade do quimo diminui a velocidade de passagem dos alimentos e dificulta a ação das enzimas endógenas e também a absorção ou transporte dos nutrientes para o organismo da ave. Sendo assim, o uso de enzimas exógenas na dieta é uma ferramenta essencial para diminuir ou até mesmo excluir estes efeitos da produção.

As enzimas são produzidas através do isolamento de material de origem vegetal, animal e processos de fermentação por microrganismos. A fermentação é a forma mais utilizada devido a maior padronização e é mais econômico financeiramente. A produção de enzimas através da fermentação usa  fungos filamentosos, leveduras e bactérias. A atividade da enzima é expressa em Unidade Internacional (U), onde se mede a quantidade de enzima necessária para catalisar a conversão de 1 μmol de substrato.

Como são utilizadas as enzimas nas rações

Nas rações podemos incluir enzimas de forma isolada, ou seja, sozinhas ou na forma de complexos enzimáticos, mais de um tipo de enzima. Sempre ocorrerá interação dessas enzimas sobre seus respectivos substratos alvo de degradação.

A aplicação das enzimas na ração pode ser pelos métodos over the top, on the top. Ambas  de acordo com o perfil nutricional da dieta. A aplicação “over the top” (por cima), pode ocorrer aumenta o custo de formulação. Na forma “on the top” é baseada na quantidade de nutrientes reduzidos na dieta. A aplicação mais simples e prática é a on the top.

Frango Assado

Enfim,  já faz parte da realidade da produção de frangos de corte e de ovos no Brasil o uso de enzimas nas rações. Prática que alinhada aos alimentos que temos nas rações mantém o bom desempenho dos animais e a qualidade da carne e dos ovos.  Lembrando que só a boa nutrição não é garantia de alta produtividade. Temos que garantir também uma genética de qualidade, um manejo ambiental e sanitário adequado.  E principalmente pessoas comprometidas e capacitadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *